Diandra, você mudou sabia? Tá diferente! - Parte 01

Depois de uma semana exaustiva de estudos resolvemos sair para nos distrai, numa típica noitada universitária. Fomos para uma mesa de bar jogar risos e conversa fora. Por incrível que pareça minha turma da facul nunca foi de fazer esse tipo de coisa, era praticamente nossa 1° vez depois de quatro semestres juntos.

Naquela noite em especial eu estava a fim de viver como a muito não fazia. Sentados naquela mesa conversamos sobre tudo (Nunca imaginei como é bom sentar numa mesa com amigos homens, ele falam cada coisa. Praticamente uma aula pra nós mulheres.)

Como era de se esperar começamos a falar dos momentos que já vivemos na faculdade. Então um amigo disse assim:

– Diandra, posso fazer uma observação sobre você?

- Claro que sim.

- Você mudou sabia? Tá diferente!

- Mudei como? To diferente em que?

- Depois te digo, num é o melhor lugar. Mais mudou pra melhor, pelo menos pra mim foi.

- Ow diz vai! Sabe que eu sou muito curiosa.

- Depois te falo.

Então todos da mesa começaram a falar que tinham notado minha mudança também. E que eu estava mais parecida com a Diandra do 1° semestre. Quando vi estava sendo bombardeada de opiniões. “Teve uma época que você tava seca, de tão magra.”, “Você não se arrumava mais.”, “Chegava calada e sai muda da aula.”, “Você agora ta tão bonita, sempre arrumada.” “você anda sorrindo pra paredes e fazendo loucuras.”. Enquanto ouvia tudo aquilo tentava com a ajuda da cerveja gelada engolir todas as opiniões. Mais a cerveja parecia mais um caldo quente que me queimava por dentro. Resolvi trocar de bebida, quem sabe com Martini seria mais fácil digeri aquilo, mais o garçom falou que tava faltando. Resolvi engolir tudo a seco mesmo. Vi o quanto eu havia me matado aos poucos, me deixado de lado por causa do outro. O quanto deixei de me sentir bem, pra fazer bem ao outro e o quanto as pessoas perceberam isso e eu não enxerguei.

Logo após o garçom voltou na nossa mesa dizendo que só havia mais duas marcas de cervejas disponíveis. Então decidimos levantar vôo. E resolvemos fazer uma festinha privada no terraço do apê de um dos meninos. Em cima das nossas cabeças havia apenas um céu lindo e cheio de estrelas. (Aii que vontade dele nessa hora). Depois de duas garrafas de Vodka aquele meu amigo do começo da noite me chamou e perguntou se eu queria saber o que tinha mudado.

-Claro que eu quero. Fala logo vai!

Continua...