Diandra, você mudou sabia? Tá diferente! Parte 02




- Então tá, olha Diandra tu sempre me chamou atenção, dês do primeiro dia de aula. Você era diferente do resto das meninas da turma. Você era a ‘Menininha desprovida de juízo’ lembra que eu te chamei assim? E isso atraiu minha atenção, mulheres diferentes me atraem. Mais com o passar do tempo você foi virando uma menina diferente-comum, se é que me entende. E foi perdendo o brilho, mais mesmo assim sempre continuei a prestar atenção em você. E agora nesse semestre você volta toda diferente, toda solta, leve, falando que ta solteira e eu e a sala toda notam e comentam sua mudança. Você agora sempre maquiada, particularmente prefiro assim. Você também vive rindo, brincando.
Sabe do que eu lembrei agora? – Não. O quê?
Você no primeiro semestre com um vestido estampado bem curtinho, quando você chegou na aula todos reparam na sua beleza e principalmente nas suas pernas. Hoje esse mesmo fato aconteceu quando você chegou na mesa do espetinho todos novamente reparam na sua beleza e no seu decote. (ele riu enquanto falava isso) É Diandra hoje eu não te enxergo mais como aquela menininha diferente, hoje te vejo como uma mulher diferente. Essa é a sua mudança. Você agora é vista como uma mulher, uma linda mulher!

Eu ouvi tudo aquilo calada, de vez em quando eu dava um sorriso amarelado de vergonha. Fiquei feliz com aquelas observações que meu amigo tinha feito.
Tentei me explicar sobre o porquê das mudanças. De que maneira eu enxergava a vida. Ou sei lá o que. Eu estava confusa com tanta coisa que passava na minha cabeça. E nessa nossa conversa que já não me recordo muito bem (afinal foram 2garrafas de vodka sem contar as cervejas) teve um ponto que ele parou e foi grosso comigo falando essa frase ‘Diandra, tu é muito complicada!’
E aquela frase talvez nem tão grossa me vez voltar pra realidade como um golpe duro no meu peito. Não pensei duas vezes tinha que estancar o sangue daquela ferida que tinha sido reaberta, então virei o copo de vodka que estava em minhas mãos já sem gelo, pois havia derretido enquanto eu o escutava falando de mim.
PQP! Eu pensei! Será que todo homem que passar pela minha vida vai me dizer essa frase. E olha que ele é só um amigo meu. Todos sem exceção de nenhuma em algum momento me disseram que sou complicada demais.
É talvez eu seja sim, complicada demais. Talvez por isso esteja sozinha hoje (em partes, nunca me senti tão acompanhada). Mais ser complicada é meu jeito, tentei descomplicar e olha no que deu. Uma Diandra em branco&preto. Se alguém me quiser vai ter que aceitar as complicações que vêm juntas no pacote. Se não, eu to bem assim.

Logo após nossa longa conversa, olhei pro relógio e já eram 04h00min da manha e convidei as meninas para irmos embora, então nossos amigos cavalheiros nos acompanharam até em casa.  Imagem agora cinco loucos andando pelas ruas de Sobral na madrugada de 1 de abril. Pra completar a noite não podíamos passar pelo Arco do Triunfo e não nos deitamos naqueles famosos túmulos (to falando dos bancos) um louco em cada um e admiramos as estrelas. Foi uma noite maravilhosa. Realmente to começando a acreditar que quem não bebe não tem historia pra contar. Mais chegando na minha linda e confortável cama eu queria colo. Bateu saudade! Queria um abraço pra dormir segura. Então mandei SMS pro dono do melhor abraço que já ganhei e ele me respondeu no mesmo instante 05h30min da manhã. “Espera só mais um pouquinho que eu to quase chegando. Agora feche os olhos e me sinta te abraçando pra você dormir” e foi isso que eu fiz. Que noite feliz a minha!