Um dia...


 sou multidão; no outro sou solidão. Não quero ser multidão todo dia. Num dia experimento o frescor da amizade; no outro a febre que me faz querer ser só. Eu sou assim. Sem culpas."

(Pe. Fábio de Melo) 



 Me sinto completamente nesse trecho.