Não quero um homem inventado




Não quero que venha em um cavalo alado, e muito menos que seja um príncipe encantando, meu bem. Quero gente de verdade, homem de carne e osso, que erra, que vezenquando pisa na bola. Quero você assim, do jeitinho que és. Venha todo e completamente aberto meu bem, sem nenhum tipo de camuflagem, nem maquiagem cobrindo quem você realmente é, estou disposta a lhe aceitar. Juro juradinho que hei de me acostumar com as tuas birras, tuas paranoias, tuas caras e tuas bocas, tuas bobagens e tuas viagens. Para que mudá-lo? Não quero um homem inventado.


— Kimberly Revoredo em “trechos para meu bem”