Pular para o conteúdo principal

Meu Momento ♡

Você poderia ter sido o homem da minha vida

[Você pode ler este texto ao som deSay Something]
           Olá, espero que as coisas estejam fluindo na sua vida desde a última vez que nos encontramos. Faz um bom tempo que meu coração fica inquieto e pede para que eu escreva para você, bom, confesso que já escrevi umas duas vezes e em seguida rasguei o papel. Dessa vez resolvi escrever aqui, não te enviarei, mas eu sei que um dia acabará chegando em você.         Bom, a primeira coisa que queria te dizer é que você poderia ter sido o homem da minha vida, talvez não no momento que nos esbarramos na primeira vez, mas quem sabe agora ou lá na frente, porém, não é e nem será, é, você estragou tudo (não falo do nosso pseudo-relacionamento), você  mostrou ser alguém que eu não gostaria de dividir nenhum segundo do meu dia, quanto mais minha vida.          Não, não tenho mais raiva de você, por muito tempo tive medo, sim, medo, você me fez sentir algo que nunca imaginei que sentiria, e hoje olho para o mundo com outros olhos, me sinto ma…

Em busca da minha estrada de tijolos amarelos




E quando a vida clama por mudanças?
Quando não consegue mais abafar os gritos do seu interior?

A cada dia que passa cresce em mim uma vontade de mudança. Um questionamento me persegue a cada hora do dia: Essa é a vida que você quer viver? E a cada noite, ao apagar das luzes, ao deitar a cabeça no travesseiro pra descansar o cansaço do mundo, tenho mais certeza que não estou, que não estou no caminho certo, que preciso mudar. Mas mudar requer uma quebra total de todas as certezas, um confronto com aquilo que me separa da MINHA verdade.

Preciso urgentemente sair em busca da minha estrada de tijolos amarelos.

Estou extremante cansada das discussões que tenho travado comigo mesmo, tentando de alguma maneira abafar os gritos do meu interior. Cansada de engolir o choro, de carregar no peito as angústias. Preciso parar de pensar “e se...” e agir.

Sei que esse processo de (re)encontro, não será fácil, muito menos breve. Mas tenho convicção que depende tão somente de mim.

E quando encontrar os meus tijolos amarelos, poderei enfim, rodopiar levemente, tirando todo e qualquer peso, das costas e consciência. E estarei livre para “Sorrir com a boca; sorrir com a mente; sorrir com o fígado.” Como diria o velho xamã de Comer, rezar e amar.

Postagens mais visitadas